SEO em 2021: Usabilidade e o Core Web Vitals

As trocas de Algoritmo do Google podem destruir com um negócio. Para que isso não ocorra, entenda a usabilidade em SEO, o que é Core Web Vitals e porque você precisa se preocupar com isso.!

Todas as vezes que ocorre uma mudança no algoritmo do Google, isso sempre desencadeia perdas para muitos negócios.

Como geralmente essas mudanças não são comunicadas previamente, é comum que as pessoas não estejam preparadas, e assim, essa perda pode vir a ser bastante significativa se o algoritmo impacta diretamente no core business da empresa.

No ano de 2021 o Google avisou com antecedência que ocorreriam as alterações. Tendo em vista o foco do Google em usabilidade e experiência do cliente, separamos hoje 3 dicas de SEO para você se preparar para as eventuais mudanças em 2021.

Caso você tenha um e-commerce, não deixe de ver também algumas dicas que consideramos essenciais para um bom SEO para E-Commerces.

Nesse artigo, você aprenderá a como não perder tráfego, a ganhar do seu concorrente. Além disso, você pode alcançar ter mais clientes gratuitamente com a pesquisa do Google!

Leia esse artigo caso você não entenda ainda bem o que é SEO e como o Google funciona.

Continue a leitura e desse modo, descubra como deixar o seu Website preparado para 2021 (a mudança se dará em maio de 2021)!

SEO: As mudanças do Google em 2021 em relação a usabilidade – Core Web Vitals

Antes de partirmos para as dicas, vamos a um breve histórico das grandes mudanças nos algoritmos de SEO do Google nos últimos 11 anos.

SEO: Grandes Mudanças no Algoritmo do Google
SEO: Grandes Mudanças no Algoritmo do Google

2010 (Panda)

O Google penalizou o excesso de palavras-chave e fazenda de links.

Antigamente, era uma prática bastante comum o uso de sites fantasmas para Link Farm (Fazenda de Links em Português, onde as pessoas criavam vários websites fakes apontando para um site principal, que fazia o Google enxergar o site do meio como autoridade, e o ranqueava alto.

Com essa prática, muita gente ganhou muito dinheiro. Contudo, em 2011 essas pessoas viram seu mundo desmoronar por conta da nova forma de classificação de páginas do Google.

2012 (Pinguim)

Em 2012 o Google penalizou os sites com backlinks de baixa qualidade e fora de contexto.

2013 (Hummingrid)

Em 2013 ocorreu a mudança Hummingbird. Com a alteração, a pesquisa agora usava contexto. Dessa forma, uma palavra não era mais uma palavra solta.

Por exemplo, se o usuário digitasse ‘’bolsa’’, o algoritmo começaria a tentar entender se é uma bolsa de couro, bolsa família, bolsa de água quente, bolsa de estudos e assim sucessivamente. Isso foi uma das maiores e mais complexas mudanças no algoritmo de ranqueamento do Google.

2015 (Mobilegeddon)

Em 2015 a abertura da página no celular passou a influenciar no ranqueamento – e muito.

Se você tinha um site que abria excelente para desktop, mas não abria bem para celular, o Google começou a penalizar aquele site.

Ainda em 2015 tivemos o RankBrain e o Mobile-First Index.  O primeiro  ajuda o Google a processar os resultados da pesquisa e fornecer resultados de pesquisa mais relevantes para os usuários. Já o segundo, a página mobile é considerada a versão principal do ranqueamento, visto que 80% dos sites são abertos no celular.

2019 (Bert)

Em 2019 vimos o Google atingir sua maturidade com a mudança de algoritmo mais complexa de todas: o Bert..

Com a inteligência artificial avançada, agora o Google não só utiliza o contexto da palavra, como a inteligência artificial para compreender a estrutura natural da frase.

Isso foi um salto na qualidade de ranqueamento..

2021 e Core Web Vitals: o foco na experiência do cliente e na usabilidade

Em 2021 o Google iniciou o Core Web Vitals. Estes são serviços que analisam o quão boa a página é em termos de leitura, estabilidade de conteúdo e velocidade.

Core Web Vitals : Google e a Experiência do Cliente
Core Web Vitals marcado em verde acima
Os três itens que fazem parte do Core Web Vitals mais de perto
Aqui os três itens que fazem parte do Core Web Vitals mais de perto

DICA: se você ainda não tem um sitemap instalado em seu website, veja aqui como criar um Sitemap em 5 Minutos.

Com o foco na usabilidade, os 3 itens que devem ser verificados no seu website para estarem em conformidade com os parâmetros do Google são listados abaixo.

  • LCP

É o tempo que demora para a página ter a maior parte do seu conteúdo impressa. Na prática, o tempo ideal é de até 2 segundos e meio. Nesse sentido, Websites que demoram acima de 4 segundos são considerados pobres.

  • FID

É o tempo necessário para que o usuário digite a primeira letra. O tempo bom é de 100 milissegundos. Os Websites que necessitam de melhora são os que demoram 300 milissegundos. Acima disso, é considerado pobre.

  • CLS

É o quanto o layout muda, é amigável e é seguro para navegar. Dentro desse contexto, sites com HTTPS, e com anúncios intrusivos, que ficam no meio da tela, vão começar a sofrer penalidades mais fortemente.

Dicas de SEO para preparar o seu Website em 2021

Dica 1: Focar na Velocidade (LCP do Core Web Vitals)

O site não deve ser somente funcional, ele também precisa ser rápido.

Velocidade é um Ponto Chave no Core Web Vitals
Velocidade é um Ponto Chave no Core Web Vitals

Para isso, você pode testar a velocidade do seu Website no  GTmetrix. Basta fazer o cadastro gratuito para simular o tráfego da localidade que você selecionar.

Outra dica importante sobre velocidade, é sobre o cache local.

É fato que muitas pessoas abrem o site próprio no computador em 2 segundos e acham que é muito rápido.

Entretanto, essa é uma falsa ilusão de velocidade. Isso porque a velocidade é devido ao fato das imagens e textos já estarem em cache local.

Para alguém que nunca abriu seu site, ele pode demorar até 10x mais.

Por isso, o lado bom de testar o seu Website no GTmetrix é que a simulação ocorre como se fosse uma primeira visita, isto é, com ausência de cache local.

Dica 2: Entenda a Usabilidade em SEO

Para testar a usabilidade do seu Website, você pode criar uma conta gratuita no Hotjar.

Com o Hotjar, você pode entender a Experiência do Usuário (UX) com seu Website
Com o Hotjar, você pode entender a Experiência do Usuário (UX) com seu Website

Assim, basta instalar o código disponibilizado para o seu site. Em seguida, insira no cabeçalho em todas as páginas do seu site. Ele grava cerca de 100 sessões para realizar a análise.

O resultado pode trazer surpresas agradáveis e desagradáveis.

Por exemplo, você pode descobrir itens ocultos que deveriam ser vistos, e itens que deveriam ser ocultos, apresentados.

Dica 3: Analise os seus concorrentes

Faça a análise dos seus concorrentes utilizando o Similarweb.

Com essa inteligência, você pode navegar por diversas páginas do concorrente e assim, verificar os padrões de usabilidade melhores que o seu, pensando nas mudanças do Google.

Dessa forma, é possível implementar melhorias no seu Website.

A análise do Similarweb permite verificar de onde vem o tráfego proveniente das busca, se por indicações, links para o site, redes sociais, e-mail, e muito mais.

Aliás, se quiser uma forma rápida de iniciar a aumentar seu tráfego orgânico, temos um artigo excelente que você consegue identificar quais suas melhores páginas e criar um plano de ação rápido de SEO.

RPV e AOV das Suas Páginas

Sempre verifique a taxa de conversão do site, o RPV (Receita por Visitante). Por exemplo, se uma venda equivale a 10 mil reais e você teve 2 mil visitantes, então você teve 5 reais por visita.

A segunda variável que deve ser avaliada é o AOV (Ticket Médio). Para calcular é bem simples. Se você obteve 100 transações que somaram mil reais, então a transação média foi 10 reais.

Se você faz as vendas diretamente pelo website, o Google Analytics terá esse dado para você. Caso contrário, você terá que fazer esse cálculo à mão.

Ferramentas Que Medem o Core Web Vitals Diretamente

Hoje já existem algumas ferramentas para medir o Core Web Vitals.

A primeira e mais direta é pelo próprio Google Search Console, na parte “Mobile” do seu website:

Core Web Vitals agora pode ser medido diretamente no Google Search Console
Core Web Vitals agora pode ser medido diretamente no Google Search Console

A segunda forma de medir é pelo famoso Google Page Speed Insights, que na nova versão traz os dados de FCP (First Contentful Paint – Primeiro Conteúdo Renderizado), FID (First Input Delay – Tempo de Espera para a Primeira Interação), LCP (Largest Contentful Paint – Renderização da Maior Parte do Conteúdo) e CLS (Cumulative Layout Shift – Movimentação Total de Conteúdo).

Core Web Vitals sendo mostrado no Google Page Speed Insights
Core Web Vitals sendo mostrado no Google Page Speed Insights

A outra ferramenta é o Lighthouse, que na versão 6.0 adicionou Auditorias, métricas e uma nota de performance.

Lighthouse também pode ser utilizado para medir o Core Web Vitals
Lighthouse também pode ser utilizado para medir o Core Web Vitals

Ainda existem três outras formas geralmente consideradas mais avançadas:

[divider style="3"]A Lucro Digital é uma Empresa de Consultoria em Inteligência de Tráfego e Vendas Online e também de cursos nessa área.

Assine Nossa Newsletter